APRENDA A VOAR



Depois dos 50, a Idade de Ouro, a vez da verdade, a hora da posse de si mesma. Aproveite tudo. Curta-se. Ame muito. Você chegou lá. Voe. Agora você tem asas. Você agora é o tigre, e tigre alado. Voe alto. Voe muito alto.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

EU, INIMIGA DE MIM

"The Enemy Within", obra de Anja Stiegler - fotomontagem

É... Eu sei, o assunto é delicado . Parece que tenho aqui trazido alguns assuntos delicados, a começar quando falo que  mulheres são sempre mulheres. A mulher-  aquela entidade que vive em você, não desaparece se você faz, 60,70, 100 anos... A mulher continua lá. Mas nossa sociedade ainda tem dificuldades de olhar assim esta Nova Mulher Madura, "a dona de seu destino". Nós mesmas apenas começamos a nos ver.

Assim, que tenho proposto aqui falarmos de amor ( até quando se espera e se quer o amor?) , ou do sexo das mulheres depois dos sessenta...( até quando?)...

Assuntos delicados. Daqueles que tenho visto as mulheres dizerem:" Não. Eu, não."

E agora quero falar de nossa inimiga interior.

A mulher é a grande inimiga de si mesma. Está sempre descobrindo, na solidão de seu quarto, de seu confronto com o espelho, seus pequenos e invisíveis defeitos. O olhar da mulher sobre si mesma  é rigoroso, nada generoso. Diante do espelho, a mulher costuma ser cruel. E diz a si mesma o que não perdoaria que outro lhe dissesse. Diante do espelho a mulher frequentemente se joga pra baixo.

E , trabalhando há tempos sobre o assunto,  concluo que é este olho de Madrasta da Branca de Neve com que a mulher se olha e se vê, o mesmo que olha a outra mulher.Sempre à procura do pequeno defeito: "Oh, mas ela está velha" , "Oh, Fulana está cheia de celulite"," Ih, mas a barriga"...

Nosso rigoroso olhar sobre nós mesmas  tem origem na forma com que olhamos a outra mulher. Um olhar que não busca belezas. Mas os pequenos, invitáveis e nem sempre significativos defeitos. Como consequencia, e por vício,  levamos para a frente do espelho o mesmo rigor. Como o cão que briga com o espelho pensando que vê outro cão.

Acredito que um olhar mais generoso sobre a outra mulher, um olhar mais parceiro,  mais "companheira de jornada", mais disposto a ver belezas que defeitos, é um alimento da auto-estima, um pulverizador dessa inimiga interior, que surge do espelho.


VISITE NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

3 comentários:

  1. Nossa, que interessante... Gostei da reflexão. E acrescento que é na medida em que a gente se aceita mais, que aceitamos também os outros, sejam mulheres, ou homens. Ninguém é perfeito, ou não estaríamos aqui.

    ResponderExcluir
  2. Flying on the World23 de agosto de 2012 18:36

    É verdade, Beatriz. Os "bons olhos" pra outra olham pra gente também. E vice-versa. Obrigada por visitar o FW e por participar com sua reflexão. Volte sempre.

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua mensagem. Ela é importante para nós.