APRENDA A VOAR



Depois dos 50, a Idade de Ouro, a vez da verdade, a hora da posse de si mesma. Aproveite tudo. Curta-se. Ame muito. Você chegou lá. Voe. Agora você tem asas. Você agora é o tigre, e tigre alado. Voe alto. Voe muito alto.

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

UMA FOTO, SETE MULHERES


Já falei aqui algumas vezes neste fotógrafo, o alemão Erwin Olaf. Quando fotografou Helen Mirren em nu realista, ou quando publicou uma série de fotos, cenas de ficção com mulheres maduras como personagens. Gosto dele, de sua natureza rebelde, obra  instigante. Um inquieto, um provocador. E vez por outra vou revirar a internet para ver o que descubro mais sobre Olaf. Foi aí que cheguei nesta foto.

Foto de Erwin Olaf

 Temos aqui sempre comentado também os mistérios que envolvem a sexualidade da mulher madura. Um silêncio sepulcral  a respeito.
Sabemos que as mulheres e seu desejo sexual nunca foram tão longevos. E é só o que sabemos. Como se comportam, como pensam as mulheres maduras o sexo, que tipo de atividade sexual esperam ou desejam... nada se sabe. E tomei Olaf por motivo e  provocação para tentar ouvir algumas delas.
Pedi a dez mulheres, todas inteligentes e maduras, com bo capacidade de expressão, que me falassem da foto, em qualquer linguagem ( valendo poema, conto, crônica, crítica, depoimento, tese, legenda...qualquer  linguagem). Duas  nunca me responderam, a terceira ficou de mandar mas não o fez.  Sete delas, entretanto, escreveram.
Bom,  decidi chamá-las aqui apenas pelo nome (verdadeiro, claro), sem dar idade, profissão, títulos,  etc, o  que acabaria por influenciar o leitor. Quero que pensem nelas apenas como mulheres, maduras e sensíveis, mães, avós, esposas, namoradas, profissionais , etc. Vejam as surpreendentes respostas:


Helena Cherem

 Neila, gostei da foto, provocativa sim, mas de bom gosto.
Acho que cada um verá e interpretará, de uma maneira. Em minha opinião, mostra que sexo e desejo não precisam morrer com a idade. Que provocar o outro para se conseguir fazer um sexo agradável é válido em qualquer idade.
Mesmo com o parceiro meio dormitando, é provocando que poderá conseguir um resultado, bom ou não, mas não custa tentar.
A idade traz um cansaço até para o que é saudável, mas a estimulação, quem sabe ? poderá fazer com que a pessoa se sinta a fim de....
Esta é minha interpretação pra esta foto. Não consigo ver outra coisa nela,que não seja de cunho sexual . Bjos e espero que tenha ajudado.

Inez Cabral de Melo

Um dia nos perdemos de vista, a vida nos levou. Quarenta anos sem notícias. Hoje, na rua, quando menos esperava, lá estava ele. Emoção, reencontro. Decidimos comemorar, como nos velhos tempos. Mas confesso, não era essa exatamente a comemoração que eu esperava.

Marília Barbosa

O Casal de Cabeça Branca
Era o fim da tarde de sexta feira quando eles chegaram pela primeira vez.
Ouvi dizer que haviam acabado de se casar e que os pais dela lhes deram um bom pedaço de terra bem perto do centro da cidade.
Alegres, joviais, amorosos...
Ouvi dizer que estavam ainda em lua de mel...
Desde aquela sexta feira, em todas as outras eles voltavam, sentavam ali mesmo, naquele sofá. Bebiam cerveja em canecas, bebiam bastante, ficavam ainda mais alegres e falastrões. Jantavam, ouviam músicas no juke Box, dançavam enamorados...
Um apoiava o outro, sempre, alegremente.
Nunca vieram nos fins de semana, ouvi dizer que não gostavam da chegada de gente de fora, mas as sextas feira, ah, nunca faltaram...
Foram muitos anos de companheirismo, de alegria e simpatia. Bons vizinhos eles eram...
Não tiveram filhos, mas criaram muitos animais, ouvi dizer...
Eu ainda era muito nova quando eles chegaram por aqui e vir-los envelhecer, foi quase imperceptível, até quando a cerveja que tanto apreciavam já pesava em ambos. E já não dançavam... Sentados no mesmo sofá da vida toda, ficavam ali, olhando o vida que passava e que eles não alcançavam mais.
Naquela noite, estavam especialmente tristes, nunca soube por que, mas pela primeira vez peguei minha máquina fotográfica e fiz esse instantâneo comoventemente triste.
Nunca trabalhei nos fins de semana e foi só na segunda feira que soube da notícia que amargou a todos que se acostumaram com o casal por mais de cinquenta anos ali, naquele mesmo sofá.
Quando fiz a foto onde ela o chamava fazia muito tempo para irem embora pra casa, ninguém, nem mesmo ela, percebeu que ele não estava daquele jeito que ficava em toda sexta feira depois do jantar e das cervejas que por esses anos todos, beberam com toda felicidade. Ele estava morto e ela bêbada, nem percebeu...
Ouvi dizer que foi um funeral muito concorrido e fiquei pensando onde poderiam estar essas pessoas que nunca vi com eles as sexta feiras.
Será que eles tinham visitas nos fins de semana?
Nunca ouvi dizer...


Mariangela Varisco

Eis a minha legenda:



Maria Vasco

 - Ei acorda aí!
  - Han! O que ? o que ? Isso é o que?
 - Sou eu te masturbando...
 - Mas o que?
 - Masturbando.
 - Han! Lembro era bom
 - Ainda pode ser!
 - Ah é, ainda!  Já está ficando gostoso.
 - Isso! Agora você pega em mim pra ficar gostoso em mim também!

Christina Montenegro

Se fosse fazer uma legenda, escreveria: "Deixa eu beliscar para ver se esse príncipe é mais um sonho...".
Olho, me identifico por um lado (idade tendendo a pesar em parte, vitalidade se mantendo tinindo em parte, fantasma da solitude dançando ao redor).
Por outro não me identifico com a imagem, pois (pura vaidade, será?) meu aspecto não é esse (padrão?) da foto: a vitalidade ainda me mantém em forma aos 65. Sempre digo que se eu já tivesse dinheiro, eu viraria a "Cher n.2, a Missão"...Rsrsrsrs  Por uma coincidência incrível, um dos meus professores de dança ACABOU de ME DESAFIAR para um concurso de dança com ele e colegas; que tal?...rsrsrsrs TAMBÉM NÃO me identifico por conta da iniciativa provocativa, sexualizada da foto, que aplaudo em quem quer que seja, mas não tem nadinha de nada a haver comigo: isso independente de idade, fase de vida, etc.: faço qualquer coisa no palco (quando foi caso de palco), se vou dançar "quebro tudo" e ainda "faço carão", mas "na vida real" sou totalmente romântica, meio Emília mas meio Jo (da Louise May Alcott) , e não tenho a menor paciência para essa "iniciativa" toda; se forem esperar isso de mim, vão esperar sentados. Mera questão de estilística existencial, pois se me apaixono, e rola um investimento mútuo, "o bicho pega"...Rsrsrsrs
Já me distanciando, mas mantendo tudo o que disse antes do ponto de vista franco-pessoal em vista, fico pensando o QUÊ esse fotógrafo pretendia "provocar"; reflexões? Ótimo! BINGO! conseguiu: você "puxou" uma.

Claudia Richer

A foto é linda, mas incomoda, deixa a gente inquieta. Aí, olha-se de novo e de novo vem o soco no estômago. É impactante demais e acredito que tudo colabore para este clima. Tem uma luz densa, fechada, dramática, sombria, como se não quisesse mostrar e mostrasse assim mesmo. Quase agressivamente, é isso, uma atmosfera agressiva que desafia o convencional. Sensual também. Erótica, silenciosamente erótica, desafiadora sempre. E profundamente solitária. Dolorosamente solitária. Como um último suspiro que resistirá apenas por poucos minutos. E que talvez não veja a luz do dia! Me lembrou demais (talvez pela alta carga dramática e pela iluminação com muitas sombras) a última montagem de Longa Jornada Noite Adentro, do O'Neill, dirigida pelo Naum Alves de Souza. Não conhecia o trabalho de Erwin Olaf e este primeiro contato me impressionou muito!


 Quer dar também a sua versão da foto? Só abrir a pasta Comentários e deixar lá.







3 comentários:

  1. Marcia Antonia Teixeira5 de setembro de 2014 18:57

    Pinto cai, mas buraco fica...

    ResponderExcluir
  2. Marcia Antonia Teixeira5 de setembro de 2014 18:58

    Pinto cai, mas buraco fica...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Flying on the World12 de setembro de 2014 21:17

      Oh, aí está, Marcia, a visão de nossa oitava mulher. Obrigada por colaborar

      Excluir

Deixe aqui sua mensagem. Ela é importante para nós.